A respiração não é algo que temos que lembrar para realizar, é uma ação automática, um reflexo que é controlado pelas células nervosas do cérebro e da espinha dorsal. Essa ação é um processo natural caracterizado por um esforço do tórax para puxar o ar para o corpo.

Quando respiramos o ar penetra pelo nariz, viaja através da garganta, passando pela traqueia até os brônquios e pulmões. Durante esse processo os peitos e as costelas se expandem e contraem, mutuamente, para realizar a entrada e saída do ar que se classificam em inspiração e expiração.

Publicidade

v4-728px-Make-Jello-Shots-Step-23-Version-3.jpg

Todas as pessoas nascem realizando a respiração natural, a partir da movimentação do diafragma, uma vez que se trata de uma função natural e involuntária. Mas devido a fatores como poluição, stress e algumas doenças o processo respiratório natural pode sofrer danos e transformar-se em respiração superficial – inibindo a capacidade do pulmão em aproveitar ao máximo o oxigênio circulante, na natureza, pelo organismo.

Respirar corretamente é muito importante! Segundo especialistas a respiração chega a eliminar 80% das toxinas presentes em nosso organismo devido a oxigenação celular, cujos resultados são o controle e a prevenção de doenças como gastrite, enxaqueca, stress, ansiedade e depressão.

Para aproveitarmos os benefícios da respiração correta é necessário saber como respirar. A respiração dever ser lenta com a utilização do diafragma – o que significa encher a barriga ao inspirar e esvaziá-la quando expirar.  Mas com a correria do cotidiano, o stress e a ansiedade, a tendência é realizar a chamada respiração peitoral em que se enche o peito ao inspirar e esvazia-o ao expirar, pressionando o diafragma e os pulmões, o que limita a capacidade dos órgãos.

A princípio é necessário entender que dependendo de alguns fatores a respiração é alterada involuntariamente – o que não indica uma anormalidade. Ao se praticar uma corrida por exemplo, haverá cansaço e, consequentemente, uma alteração respiratória. Por isso, o importante não é a frequência cardíaca, propriamente dita, mas a forma como se está respirando: se com o diafragma ou com o tórax.

Publicidade

A respiração correta e mais adequada é a que utiliza o movimento natural e involuntário do diafragma, tanto para expandir os pulmões (permitindo que o ar entre no corpo), quanto para contraí-los e, consequentemente, expulsar o ar para fora. A respiração diafragmática garante uma melhor oxigenação dos tecidos no organismo.

A chamada respiração diafragmática, popularmente conhecida como “respiração abdominal” nada mais é que “respirar com a barriga”, já que é possível perceber o movimento dessa região devido à entrada e à saída do ar.

Portanto, fique atento à região que mais se movimenta durante sua respiração. Preste atenção ao músculo localizado entre o tórax e o abdômen e, caso note o maior movimento ocorrer, sobretudo, na área peitoral e dos ombros, pode ser um indicativo de que o processo está ocorrendo, predominantemente, a partir dos músculos do tórax, o que não é o ideal.

Quanto mais ar nos nossos pulmões, mais oxigênio no nosso corpo. A movimentação do diafragma durante a respiração permite a expansão dos pulmões, os quais recebem mais ar a cada inspiração ocupando os pulmões por inteiro de forma que chega aos vasos sanguíneos e permite uma melhor oxigenação para todo o organismo, incluindo o cérebro – o que facilita o funcionamento do metabolismo (conjunto de reações e funções efetuadas pelos sistemas do corpo), auxiliando a vencer o cansaço e renovar as energias.

Dicas infalíveis de como reaprender a respirar utilizando o diafragma:

Quando nascemos, todos nós respiramos naturalmente. Por isso, reaprender a respirar corretamente é apenas uma questão de reeducar o corpo. E, para isso, basta seguir o breve passo a passo a seguir:

respira2.jpg

  1. Escolha uma posição que seja confortável para você: deitado ou sentado com a coluna ereta.
  2. Inspire lentamente pelo nariz (nunca pela boca), conte até três.
  3. Ponha uma das mãos sobre a região abdominal, entre o umbigo e o esterno, para sentir o movimento durante a respiração. Sinta o ar encher os pulmões e perceba o abdômen subir.
  4. Segure o ar dentro dos pulmões, sem soltar, por dois tempos.
  5. Expire pela boca, esvaziando os pulmões e a barriga, contando até três novamente, isso ajuda a relaxar e a controlar o stress e a ansiedade.
  6. Repita o processo duas ou três vezes, depois continue respirando pelo ‘abdômen’, sem contar tempos.

A reeducação do modo como respiramos é um exercício contínuo que, quando praticado, de forma consciente, se transforma em uma atividade que contribui decisivamente para a saúde e o bem-estar geral do indivíduo.

Publicidade